O anarquismo e as lutas sociais no Alentejo – Gonçalves Correia

Posted on 3 de Dezembro de 2011

1


A revolução é minha namorada

[Texto editado em 2007 (Alambique nº1)]

António Gonçalves Correia (1886 – 1967) responde por si só às razões de ser deste novo projecto libertário no Alentejo. Tomar-lhe o nome para um Centro de Cultura Anarquista dinamizado a partir de Aljustrel, reclama a sua herança e recorda a urgência dos apelos de que fazia eco desde há um século para cá, enquanto percorria como caixeiro viajante as vilas do Baixo Alentejo. Não o chegamos a conhecer. Mas a sua força surpreendeu-nos enquanto a memória anarquista mais viva (e calorosa) que viemos a encontrar à nossa volta em diversas gerações que lhe tomaram o pulso. Julgo que hoje recordam, para lá da sua proeminente figura viva de revolucionário, essa força, essa dignidade humanista e anti autoritária, que lhe emanava na difusão do ideal anarquista. Quando uma nova geração, neste novo século, trava de novo encontro com Gonçalves Correia numa nova aventura anarquista, sabemos em diante de que o seu nome não figurará apenas nas estantes académicas a ganhar pó.

A vida de Gonçalves Correia cruza-se na primeira metade do século XX com o emancipar das ideias anarquista, com as lutas anarco-sindicalistas das minas de Aljustrel, São Domingos ou Lousal, com as lutas dos camponeses do Alto ao Baixo Alentejo e com os vários grupos e jornais anarquistas de Portalegre e Évora, a Odemira ou Cercal do Alentejo, etc. Colaborador de vários jornais como A Batalha, A Aurora, O Rebelde, em 1916 funda o semanário A Questão Social na vila de Cuba. Um ano depois publica o opúsculo. Estreia de um crente, tendo ainda vindo a publicar outra obra «A Felicidade de todos os Seres na Sociedade Futura» (1ª ed.1923).

Sobre os princípios de vida de Gonçalves Correia, a sua biografia chama a atenção para que quem hoje olhe para os «tópicos da cultura libertária de há 100 anos, não deixará de se surpreender com a actualidade de muitas das propostas. Com efeito, grande número dos princípios que enformam a nossa modernidade – a liberdade, a emancipação da mulher, a defesa do amor livre, a ecologia, o respeito pelos animais, o naturismo, certos estilos alternativos de vida – mergulham as suas raízes na velha moral anarquista»1.

Gonçalves Correia, vegetariano e tolstoiano, preconizou, como refere J.M. Carvalho Ferreira, um tipo de anarquismo naturista e pacifista, numa época em que predominavam as teorias e as práticas do anarco-comunismo e do anarco-sindicalismo. Hoje, certamente bem mais do que o seu posicionamento essencialmente moral, alicerçado na transformação do indivíduo através da bondade e da fraternidade, a vivência deste natural de São Marcos da Atabueira (Castro Verde) é para nós de grande actualidade ao firmar essencialmente dois aspectos principais. Por um lado a afirmação e o alcance da acção individual e dos compromissos que lhe cabem por inteiro à margem dos rebanhos e das massas políticas e amestrados; e por fim a urgência em observar as lutas sociais em estreita relação com as questões do nosso planeta, como um todo. Este último aspecto “ambiental” tornou-se assim tão-somente referido num lugar comum, mas a verdade é que em Gonçalves Correia a desconstrução desse discurso de hoje tão politicamente correcto, emergia e aprofundava-se já no discurso anarquista dos inícios do séc. XX em Portugal2 e é hoje o discurso da primeira linha dos anarquistas do séc. XXI perante o avanço avassalador da Máquina sobre a vida humana, animal e do planeta terra.

Nesse sentido o seu testemunho mais rico, do qual cada vez mais opções e projectos entre a serra e a planície alentejana parecem hoje herdar, residiu nos projectos comunitários da Comuna da Luz, em Vale de Santiago, entre 1917 e 1918, e a Comuna Clarão, em Albarraque, já nos finais da década de vinte e inícios de trinta do século XX. O pôr em prática a utopia, os princípios e práticas do anarco-naturismo, não se abstraindo da ligação destas comunas às populações em redor, surpreende o próprio: «Mas será isto verdade? Não estarei eu sonhando? Será verdade que este pedaço de terreno sagrado, que o dinheiro da solidariedade humana resgatou, pertence de hoje em diante a um grupo de homens que são irmãos, a umas dúzias de indivíduos que querem ser livres na Terra Livre, a um punhado de seres que detestam a vida irracional das grandes cidades? Será verdade que morreu aqui a árvore maldita da propriedade privada? Será verdade que estes 3 quilómetros benditos vão ser explorados em benefício comum? Será verdade que aqui vai ser a divina cidade da Luz e que além, daqui a 3 mil e tal metros, é a terra das trevas, o sítio do vício, a estrada do crime?»3.

Reprimida policialmente após a revolta dos trabalhadores rurais do Vale de Santiago durante a crise de 1918, no alargado surto grevista dos trabalhadores rurais alentejanos, a comunidade foi desmantelada e o próprio Gonçalves Correia preso. Mal sai da prisão reacende a chama na Comuna Clarão em Albarraque, prosseguindo um ideal de vida alternativo, albergando depois de 1926 e até à sua dissolução, a resistência e os perseguidos da ditadura.
Por fim, por outros caminhos prosseguirá António Gonçalves Correia, para ainda hoje ser recordado como o homem que comprava pássaros para depois os soltar na praça pública, no meio de vivas à Liberdade.

1 FRANCO, Alberto (2000): “A revolução é a minha namorada – Memórias de António Gonçalves Correia, anarquista alentejano”, ed. Câmara Municipal de Castro Verde; Destaque ainda para “No Paraíso Real: tradição, revolta e utopia no Sul de Portugal” (CD), ed. O Canto do Som, 2000.
2 “Naturismo e comunismo: uma aliança sagrada” foi o título da comunicação apresentada por Gonçalves Correia no 1.º Congresso Vegetariano Naturista da Península, realizado em Lisboa em Junho de 1919.
3 ROCHA, Francisco Canais, e LABAREDAS, Maria Rosalina (1982): “Os trabalhadores rurais do Alentejo e o sidonismo: ocupação de terras no Vale de Santiago”, Lisboa, Edições Um de Outubro: pp. 168-69

António Gonçalves Correia: acima de tudo, um anarquista
J. M. Carvalho Ferreira
Alberto Franco fez um trabalho de investigação exemplar: conseguiu resgatar os traços essenciais da trajectória da vida de um homem que tentou viver a anarquia de uma forma muito sui generis. Embora já tivesse oportunidade de ler dois pequenos livros de António Gonçalves Correia – Estreia de um Crente (1917); A Felicidade de todos os Seres na Sociedade Futura (1921) -, Alberto Franco não somente soube extrair os elementos analíticos e ideológicos cruciais que configuraram o pensamento desse grande anarquista alentejano, como também contextualizou socio-historicamente a sua luta e sua vida nos parâmetros do imaginário colectivo e práticas do anarquismo durante o século XX em Portugal. Os conteúdos e as formas do pensamento, assim como as experiências comunitárias, de António Gonçalves Correia, mais do que nunca, devem ser objecto de um exercício de interpretação e de compreensão por todos aqueles que se dizem libertários. Na minha opinião, existem três razões plausíveis que me levam a fazer estas afirmações. Em primeiro lugar, o pensamento e as formas de intervenção social de António Gonçalves demonstram à saciedade que a anarquia, enquanto um ideal, uma filosofia, uma ética e uma estética, é sempre possível de ser interpretada, explicada e vivida consoante cada indivíduo ou grupo que aspira à construção de uma sociedade sem deuses e sem amos. A visão tolstoiniana que António Gonçalves Correia tem da anarquia leva-o a abraçar um tipo de anarquismo naturista e pacifista, numa época em que predominavam as teorias e as práticas do anarco-comunismo e do anarco-sindicalismo. Não admira assim que a sua intervenção social fosse marginal no contexto dos movimentos sociais e do anarquismo que tinham maior expressão nas primeiras décadas do século XX em Portugal. Em segundo lugar, os exemplos comunitários de construção e de experimentação social anarquista no contexto das sociedades capitalistas, como foram os casos emblemáticos da Comuna da Luz, sediada em Vale de Santiago, entre 1917 e 1918, e a Comuna Clarão, sediada em Albarraque, entre finais da década de vinte e princípios da década de trinta do século XX, revelaram-se extraordinariamente importantes, na medida em que essas duas experiências se traduziram em modalidades práticas de utopias concretas. Essas experiências, ainda que tenham soçobrado e tenham sido atravessadas por uma série de contradições e conflitos, revelaram sobremaneira que não existe dissociação espácio-temporal entre reforma e revolução, entre teoria e prática, e sobretudo entre a utopia com um sentido histórico absoluto e a utopia com um sentido histórico relativo. Com esses tipos de experimentação social comunitária, António Gonçalves Correia e as outras pessoas que participaram nesse processo demonstraram quão difícil é traduzir na prática os princípios estruturantes da emancipação social: liberdade, fraternidade, amor e solidariedade. Em terceiro lugar, os exemplos subjacentes aos princípios e práticas do anarco-naturismo e do anarco-pacifismo que atravessaram a vida quotidiana de António Gonçalves Correia revestem-se de uma grande actualidade. Na verdade, quando hoje à escala mundial assistimos à destruição progressiva da natureza, com especial incidência na evidência empírica que nos é transmitido pela poluição atmosférica, camada do ozono, morte dos rios, florestas e mares, a atitude de António Gonçalves Correia em relação às espécies animais e vegetais é de uma força simbólica inimaginável. Comprar passarinhos que estavam prisioneiros nas gaiolas aos comerciantes que os vendiam nas feiras do Alentejo para depois os libertar, ou desviar-se com a sua bicicleta dos caminhos percorridos pelas formigas para não as matar, são exemplos paradigmáticos de como nós devemos agir para se construir um equilíbrio ecossistémico entre todas as espécies animais e vegetais. São exemplos significativos que não basta lutar exclusivamente pelo fim da opressão e exploração entre os seres humanos, mas também contra a opressão e exploração destes sobre as outras espécies animais e vegetais. Enfim, um livro para ler e aprender com a vida de um homem que não se vergou aos ditames do progresso e da razão, aos desígnios e estratégias do capital e do Estado. Alberto Franco, A revolução é a minha namorada – Memórias de António Gonçalves Correia, anarquista alentejano. Ed. Câmara Municipal de Castro Verde, 2000.
Anúncios