Colónia Anarquista Agrícola (1913)

Posted on 30 de Março de 2013

0


jornalArevolta1913

Recuperamos aqui o anúncio, adaptado e dado a conhecer para o português corrente pelo Blog Pimenta Negra, que no jornal A Revolta (órgão da Federação Anarquista da Região do Sul), de Outubro de 1913 dava conta do anuncio da criação de uma colónia anarquista em Trás-os-Montes pelos grupos anarquistas Audácia e Avante, de Chaves, e Avante pelo Futuro, de Vidago. Sem que ao que saibamos que desenlace teve este apelo, ou o que realmente foi para a frente, esta proposta antecede uns anos antes a Comuna da Luz de Gonçalves Correia e dá conta de como este tipo de propostas são acolhidas na região portuguesa pelos anarquistas.

Colónia Anarquista

Os grupos anarquistas Audácia e Avante, de Chaves, e Avante pelo Futuro, de Vidago, acabam de levar a efeito a criação em Trás-os-Montes de uma Colónia Anarquista Agrícola que deve começar a funcionar no próximo mês de Novembro, sendo a sua manutenção feita com a criação de animais domésticos, contando ao mesmo tempo com a ajuda dos camaradas anarquistas ou de todos os que simpatizam com as doutrinas anarquistas e que as queiram ver praticamente.
Um grupo de trabalhadores daquela região completamente desiludidos com a actual ordem das coisas chegaram à compreensão que só a Anarquia resolverá o problema social que tanto a agita a Humanidade e resolveram avançar para a fundação de uma Colónia Anarquista Agrícola que funcionará o mais possível dentro da sublime e emancipadora ideia libertária, que virá dar ao ser humano uma ideia de quanta felicidade e harmonia reinará entre os homens desde que associem e vivam conforme o ideal Anarquista, que tão firmemente defendemos, mostrando à burguesia e aos fanáticos políticos, que tanto nos perseguem e temem, que nós não queremos destruir, mas sim edificar, e edificar sobre as bases que são a mais fortes no Amor e na Libertação do homem, livrando assim da sinistra Autoridade que há séculos cobre a Humanidade de ruínas e de sangue.
Segue a circular que acaba de ser dirigida à imprensa anarquista do país.

Camarada,

Levados pela convicção nas ideias anarquistas, empenhamos nossas forças numa obra grandiosa, para a qual pedimos a vossa cooperação, certos de que compreendereis o grande alcance que dela virá para a difusão dos princípios que defendemos.
Os grupos libertários Audácia e Avante, de Chaves, e Avante pelo Futuro, de Vidago, esperançados no auxílio que de vós esperam, resolveram fundar uma colónia agrícola livre, para onde nós, os trabalhadores conscientes, livres de preconceitos e de vaidades tolas, iremos pôr em prática os princípios das nossas doutrinas, provando assim que elas não são um sonho e que com vontade, estudo e perseverança se podem transpor os grandes obstáculos que nos impedem o caminho para o Bem.
Animados desta ideia, convencidos como estamos que a sua realização será a melhor propaganda que podemos fazer da anarquia, provando pelo exemplo o contrário do que dizem os defensores desta iníqua organização social e política – que a anarquia é a desordem, que as suas teorias dissolvem e não organizam – nós empregaremos todos os esforços para nos conservarmos, tanto quanto possível, dentro dos princípios, demonstrando claramente a falsidade de tais afirmações.
O nosso plano vai mais longe, não se limita à colónia. Sindicar os trabalhadores, fundar uma cooperativa que funcionará conjuntamente com a colónia e sindicato e uma cozinha comunista, são assuntos que nos tem preocupado e que andam ligados à fundação da colónia. Para esta, os trabalhadores das duas localidades que já abriram os olhos, que se interessam pela sua situação e a quem isto merece simpatias, quotizar-se-ão com a quantia mínima de vinte réis por semana. Esta quotização já começou e o dinheiro assim junto empregámo-lo em animais domésticos que criamos e desenvolvemos, adquirindo assim conhecimentos indispensáveis para a colónia e aumentando os seus fundos.
Compreendeis muito bem que esta quotização é pouco para uma obra desta natureza e que se torna necessário o auxílio moral e material de todos os camaradas para dar princípio à vida da colónia.
Por isso vos enviamos esta circular, cônscios de que estareis connosco ao lado da grande causa.

OS GRUPOS

NOTA – Toda a correspondência deve ser dirigida ao camarada António A. Castro Lopo, Rua Direita nº 135 – Chaves, ou a José Augusto Ferreira – Vidago.

 UCSIB-GHC-21-4-2_1913-10-12_0011_3_t24-C-R0120UCSIB-GHC-21-4-2_1913-10-12_0012_4_t24-C-R0120

 

Anúncios